Você já ouviu falar em psicologia positiva? Sabe o que ela é e para que serve? Conheça um pouco mais sobre esta nova modalidade da psicologia que vem ganhando força e relevância nos últimos anos.

Desde a 2ª guerra mundial o foco da psicologia tem sido curar e reparar danos. Este foco fez com que se olhasse pouco para os aspectos positivos que também são parte das pessoas e das comunidades.
Embora alguns pesquisadores isolados tenham buscado entender e estudar as potencialidades humanas, somente a partir do início do século XXI é que o estudo das qualidades humanas passa a ser feito de forma organizada e sistemática.

O termo psicologia positiva surgiu pela primeira vez em 1954 no livro Motivation and Personality de Maslow, onde ale afirmava que o potencial humano ainda não havia sido compreendido completamente. Afirmava ainda que a psicologia havia tido muito mais sucesso em compreender o lado humano negativo que o positivo e que isto revelava muito sobre as deficiências, as doenças e os pecados do homem, mas pouco sobre suas potencialidades, suas virtudes e suas aspirações. É como se a psicologia tivesse voluntariamente se limitado a apenas metade de sua jurisdição legítima, a parte mais escura e fraca.

O que é a Psicologia Positiva

Há aproximadamente 20 anos um grupo de psicólogos pesquisadores iniciou um movimento em prol do “estudo científico do que faz a vida ser digna de ser vivida”. Este movimento ganhou o nome de psicologia positiva.
Este termo pode ser entendido como um temo guarda-chuva para o estudo das emoções, das características individuais e das instituições positivas centrado na prevenção e na promoção da saúde mental.
O principal interesse da psicologia positiva é ter um entendimento científico sobre as forças e vivências humanas com foco na felicidade e nas possíveis intervenções no sentido de aliviar as dores e incrementar o bem-estar subjetivo.
De acordo com Seligman e Csikszentmihalyi, a psicologia positiva possui três áreas de investigação científica, a saber:
No nível subjetivo o interesse concentra-se nos estudos das experiências subjetivas de valor, bem-estar subjetivo e satisfação de vida, otimismo, esperança e felicidade.
No nível individual busca compreender os traços positivos ligados as características e ao funcionamento de cada pessoa, como capacidade para o amor, talentos, habilidades interpessoais, generosidade, perdão e sabedoria.
No nível grupal são analisadas as virtudes cívicas e as instituições que contribuem para que os indivíduos se tornem cidadãos melhores, com foco no altruísmo, tolerância e ética no trabalho.

Aplicações da Psicologia Positiva

Uma vez que um dos objetivos principais da psicologia positiva é promover o potencial e o bem-estar humano, pode-se entender que ela pode ser aplicada por meio de intervenções em diversos campos como:

  • Clínico
  • Nas escolas
  • Nas Organizações

Em todos esses campos o papel da intervenção positiva é auxiliar o indivíduo a construir uma vida prazerosa, engajada e com sentido.

 

Fonte: Avaliação em Psicologia Positiva. Cláudio Simon Hutz. Ed. Artmed